GRAVEL Zone Brasil / Opinião - O Melhor e o Pior upgrade para sua Gravel Bike

O melhor e o pior upgrade para sua Gravel Bike, andam juntos.

Todo mundo que é proprietário de uma bicicleta, sabe que além do próprio prazer de pedalar, outra grande curtição é fazer upgrades para deixar a máquina cada vez melhor, mais bonita, mais veloz, mais confortável, etc. Por isso a maior quantidade de perguntas de leitores que recebo diariamente diz respeito justamente a esse assunto, contudo tenho visto em fóruns e nas redes sociais muita desinformação em relação ao tema, sendo assim, vou deixar aqui uma opinião pessoal, baseada na minha experiência com as Gravel Bikes e na vivência de décadas nas diversas esferas do Ciclismo.

O melhor e o pior upgrade para sua Gravel Bike - Foto: GRAVEL Zone Brasil

Sobre as mensagens que me mandam pedindo ajuda com os upgrades, a grande maioria tem a ver com a transmissão. É gente querendo trocar o grupo, os câmbios, cassette ou pedivela. Então aparecem depois dúvidas sobre freios e pneus.

Qual o upgrade mais importante para uma Gravel Bike?

O interesse nas Gravel Bikes só vem crescendo nos últimos tempos. Muita gente já migrou ou pretende em algum momento adquirir uma. Junto com esse movimento, outra situação vem se repetindo. Sabe quando a pessoa compra uma Gravel Bike no embalo, mesmo os modelos mais caros, pedala poucas semanas e já desiste dela? Em geral com queixas sobre desempenho e conforto, entre outras.

A verdade é que independente de você estar adquirindo uma Gravel Bike nova ou mesmo "gravelizando" uma que já se encontra em sua garagem, um ponto é simplesmente fundamental para garantir que sua experiência Gravel seja bem sucedida e a mais prazerosa possível. Em uma palavra: TUBELESS.

Foto: GRAVEL Zone Brasil

Imagino alguém indo pedalar na terra todo contente com sua nova Gravel Bike usando 50 libras de pressão (ou mais) nos pneus. Já adianto que não é legal. É claro essa pessoa não irá andar tão rápido nas descidas e muitas vezes ainda vai se sentir insegura nos trechos mais técnicos. Outra reclamação super comum relacionada às Gravel Bikes tem a ver com a quantidade de furos de pneus. Todo esse conjunto de perrengues é a principal causa dos "divórcios" dos novos proprietários com suas Gravel Bikes.

Agora imagine eu indo pedalar com meus pneus 700x45mm sem câmaras. Peso 73Kg e uso, com toda segurança, apenas 26 libras de calibragem na dianteira e 28 na traseira. Posso te garantir que isso resulta em uma diferença brutal em termos de controle, desempenho e conforto. 

Quando realizei minha primeira conversão tubeless no ano de 2005, tudo era mais complicado e o processo envolvia algumas manhas, razão pela qual até fiz um vídeo para explicar o passo a passo detalhadamente. Hoje em dia, considero que a absoluta maioria das combinações aro-pneu permite uma conversão sem grandes dificuldades. Com um pouquinho de paciência você mesmo pode fazer. 

Entre os pneus dobráveis disponíveis no mercado, praticamente todos são "tubeless ready", aptos a serem convertidos. Algumas marcas nacionais, como a Algoo, vendem rolos de fitas de aro de qualidade para tubeless a um preço super acessível. Em geral duas voltas de fita são suficientes para cada roda, aí você coloca a válvula, um selante de qualidade e já pode inflar. Hoje em dia, uma bomba de pé costuma dar conta do recado, contudo se os seus aros forem mais profundos e quando você montar os pneus, sentir que eles estão frouxos, vale a pena passar uma camada extra de fita. Bikes mais novas das grandes marcas em geral já vem de fábrica com a fita tubeless instalada e as rodas prontas para a conversão.

Ainda não está seguro? O YouTube está cheio de bons vídeos mostrando o processo. Não curte mecânica? Leve então a bicicleta a uma boa bike shop e eles fazem a conversão para você, mas é sério, não deixe de converter seus pneus! 

Foto: GRAVEL Zone Brasil

Se você ainda não fez, tubeless é um upgrade que para mim vale muito mais que trocar um câmbio, por exemplo, além de geralmente custar mais barato, vai mudar para muito melhor a sua relação com a Gravel Bike.

Esses dias vi uma ciclista influencer dizendo que tubeless é uma besteira, porque faz sujeira e você tem que completar o selante a cada x meses, blablabla... Não caia nessa, esse é "O UPGRADE" para qualquer graveleiro que se preze, independente da (pouca) manutenção que possa vir a dar, o fato de usar muito menos pressão nos pneus e ainda não sofrer com furos, é impagável na minha opinião.

Na verdade considero que a plena experiência a bordo de uma Gravel Bike só acontece se você usar tubeless. Para ajudar, os pneus vão furar infinitamente menos do que suas câmaras tradicionais, e quando convertidos, podem fazer suas rodas pesarem também um pouquinho menos que aquelas montagens com câmaras.

E o pior upgrade ou o maior downgrade para sua Gravel Bike?

Quando comecei no Mountain Biking na década de 1980, tudo era importado e na época todo mundo usava um produto que existe até hoje, chamado de Mr. Tuffy Tire Liner, a famosa fita anti-furos. Há 30 e tantos anos o produto até fazia algum sentido, mas hoje, considero que usar esse tipo de fita é o pior que você pode fazer para sua bike, ainda assim tenho visto muita gente apegada a essa ideia ultrapassada.

Fita anti-furos Mr. Tuffy - Foto: eBay

A primeira coisa a se levar em consideração nos dias de hoje é que tecnologia dos pneus evoluiu enormemente. Assim como a grande maioria dos pneus permite a conversão para tubeless, todos os principais fabricantes de pneus para Gravel Bikes contam com alguma tecnologia de proteção na banda de rodagem, nas laterais ou, melhor ainda, em todo pneu. Só isso já dispensaria o uso da fita anti-furo.

Pneus dobráveis com tecnologias de proteção contra furos e cortes - Foto: GRAVEL Zone Brasil

Falando em furos, você que ainda usa câmaras já percebeu que quase todos os seus problemas estão relacionados ao chamado "snake bite" ou mordida de cobra? É aquela situação em que os furos internos do aro "mordem" a câmara de ar e fazem dois furos, um de cada lado. Para esse tipo de acontecimento muito comum, a fita anti-furos também não tem qualquer utilidade.

Pensando em desempenho, o pior que você pode fazer para sua Gravel Bike é agregar "peso rodante" ao conjunto, ou seja, além de inútil, a fita anti-furo vai deixar suas rodas mais pesadas e a bicicleta mais lenta.

Para completar o pacote de desgraças, a fita anti-furos pode ainda ressecar e advinha? Furar sua câmara!

Então o pior upgrade para sua Gravel Bike seria escolher um pneu de arame mais barato, pesado e sem nenhuma proteção, aí junto com ele montar a famigerada fita anti-furos que não evita furos. Isso vai exatamente na contramão do melhor upgrade.

Todo mundo tem que usar tubeless? Todo mundo tem que jogar a fita anti-furos fora?

Não necessariamente você precisa usar tubeless na sua Gravel Bike, mas deveria considerar essa hipótese com carinho, porque não há upgrade mais efetivo para te proporcionar conforto extra, segurança e desempenho. Já a fita anti-furos, essa sim você poderia banir da sua bicicleta hoje mesmo, pelo menos na minha opinião.

#KeepRidingGravel

Comentários

Posts Populares

GRAVEL Zone Brasil / Doc - Gravel Bikes: um tratado sobre transmissão

GRAVEL Zone Brasil / Dúvida - O que é melhor, uma Gravel Bike com rodas 700C ou 650B? Que tal as duas juntas?

GRAVEL Zone Brasil / Teste - Mesa com suspensão Redshift Shockstop